Dica: He named me Malala

malala

Olá senhores delegados! Vamos dar início aos posts, começando com uma dica de documentário!

“He named me Malala”, é um documentário que conta a história de Malala Yousafzai, uma jovem paquistanesa de 18 anos, filha de um professor e que sempre foi incentivada pelo pai a estudar. Apesar das condições precárias da sociedade que viviam, seu pai, Ziauddin Yousafzai, fundou uma escola que aceitava crianças de ambos os sexos e sua maior luta foi mantê-la aberta.

Quando o grupo radical político Talibã chegou à região em que viviam e impuseram suas normas e regras rigorosas, a jovem contestou e não se calou diante da situação que lhe era imposta e, assim, iniciou sua luta pelos direitos de as mulheres em sua sociedade. A menina foi perseguida pelo grupo radical que controlava a região, no distrito de Vale do Swat e, em 2012, levou um tiro na cabeça enquanto voltava da escola, por ser considerada, pelos líderes do Talibã, uma ameaça ao islã ao sugerir que as meninas devessem ir à escola. Passou um longo período se recuperando do atentado e, posteriormente, contou em sua biografia, intitulada como “Eu sou Malala”, que seu objetivo era contar sua história e trazer uma nova perspectiva com sua experiência, empoderando meninas de todo o mundo que são menosprezadas e não têm acesso à educação, pelo seu ativismo, foi a pessoa mais jovem a ganhar um Prêmio Nobel da Paz (2014).

Assim, o documentário mostra um lado da jovem paquistanesa que, apesar de todo o ativismo e influência no cenário internacional, como exemplo, seu discurso na sede da ONU em que disse “uma criança, um professor, um livro e uma caneta podem mudar o mundo”, é uma menina comum que briga com os irmãos, tem dificuldades com certas matérias e se sente tímida em relação aos companheiros de turma em sua escola na Inglaterra, para onde ela e sua família foram exilados após o atentado. Porém, a garota diz que sente falta do seu país, de sua família e de seus amigos e que sente vontade de retornar a ele.

Ao se tornar símbolo da luta pelo direito das mulheres e do movimento feminista, Malala, a garota que foi considerada uma das jovens com menos de 30 anos mais influentes no mundo, em seu filme, diz que chega um momento em que se deve escolher entre silenciar e se rebelar, ela escolheu representar as 66 milhões de garotas que, assim como ela foi em seu antigo país, são privadas do direito de possuir educação e, nesse momento, as palavras se tornam mais poderosas que armas, pois ela não é uma única voz.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s